quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

New Home

'Cause they say home is where your heart is set in stone
It's where you go when you're alone
It's where you go to rest your bones
It's not just where you lay your head
It's not just where you make your bed
As long as we're together, does it matter where we go?
(Home - Gabrielle Aplin)

Gabrielle is right when she sings those verses. 
And what exactly I have been feeling is that I am trying to make the world my home, sweet home. I do not just want to have a place to lay my head, I want to feel part of it. Be filled with the hope of a better world where everybody just fit in. A place called home where dreams come true and people live well satisfied. 

Utopia. I can hear you yelling at me.
Utopia. People urge me.
Live your dreams. I answer.
Go live an amazing life that changes other lives. I reply.

That's it. This is my new beginning with this new layout. Another try. 
A new virtual space to also call home. A place where I rest my thoughts.
Where I hope you can find shelter for yours as well.
Let's share our learnings?
Let's keep walking together?
I see you around. 

... 

Porque eles dizem que lar é onde seu coração está firmado na rocha.
Onde você vai quando se sente só.
Onde você vai para descansar seus ossos.
Não é apenas onde você descansa a sua cabeça.
Não é apenas onde você faz a sua cama.
Desde que estejamos juntos, importa para onde vamos?
(Home- Gabrielle Aplin)


Gabrielle está certa quando canta esses versos. 
E o que exatamente eu tenho sentido é que eu estou tentando fazer do mundo a minha casa, meu doce lar. Eu não quero apenas ter um lugar para colocar minha cabeça, eu quero me sentir parte dele. Ser preenchido com a esperança de um mundo melhor, onde todos apenas se encaixam. Um lugar chamado casa onde os sonhos se tornam realidade e as pessoas vivem satisfeitas. 

Utopia. Eu posso ouvir você gritando comigo. 
Utopia. Pessoas exortam-me. 
Viva seus sonhos. Eu respondo. 
Vá viver uma vida fascinante que muda outras vidas. Eu retorno. 

É isso. Este é o meu novo começo com um novo layout. Outra tentativa. 
Um novo espaço virtual para também chamar de lar. Um lugar onde eu descanso meus pensamentos. 
Onde eu espero que você possa encontrar um abrigo para os seus também. 
Vamos compartilhar nossos aprendizados? 
Vamos continuar caminhando juntos? 
Vejo você, então!

---------------

/New layout made by Thiago Muniz, my friend for every time of changes in my life! Thank you, my friend, my brother. I am glad we stayed in the same room when the real wish was to move forward. 

//Novo layout feito por Thiago Muniz, meu amigo presente em cada mudança na minha vida. Obrigado, meu amigo, meu irmão. Fico feliz que permanecemos na mesma sala quando o real desejo era seguir em frente.

Home - Gabrielle Aplin
  

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Uma nota rápida sobre adaptação // A quick note about adaptation

Em uma terra que não é a sua, você se sente deslocado, desgastado e, por vezes, revoltado. Sim, esses foram sentimentos recorrentes em mim nas terras estrangeiras onde vivo atualmente.
Adaptar-se é a palavra de ordem. E é algo urgente, quando se vai passar muito tempo nessa nova terra. Posso dizer que demorei três meses para me adaptar em terras britânicas. A comida não me agradava, o jeito das pessoas, os itens vendidos no supermercado... a lista era grande! Só falava bem do transporte público! (risos)
Mas depois desse período, parece que a satisfação chegou. E, praticamente, quase (um grande quase) tudo passou a me agradar. O chá tradicional, a caminhada das pessoas pelo rio...
Mas por quê? O que mudou? Porque encontrei o meu jeito e aceitei o que é típico, o que é o diferente.
Passamos a viver bem quando aceitamos a situação e alteramos o que podemos mudar. Posso dizer que mudei a mim mesmo muito mais do que ao ambiente externo. E nisso está a beleza do novo. Nisso está a beleza do inusitado.
Abri a minha mente para o diferente e isso me fez muito bem.
Dessa forma, antes de viajar, antes mesmo de pensar em fazer as suas malas, lembre-se de abrir a sua mente.

... 

In a new place that it is not yours, you feel disjointed, outworn, and, sometimes, revolted. Yes, these were some of the feelings that I had in this new country that I am living now.
Adapt yourself is imperative.
And it is urgent when you are going to live for a long time at this new place. I can say that I took three months to fit in British lands. The food used to taste bad, the way people were used to annoy me, even the stuff sold in the supermarkets used to be of a weird organisation… The list was enormous! I only used to say good things about the public transport: awesome.
However, after this time, the satisfaction seemed to have arrived. And, basically, I am now fond of almost (a big almost, actually) everything here. The tea, the walking at the riverside, and so on…
But why is it? What have changed? I found my way here and accepted what is natural from here, accepted the different and quirky.
We live well when we accept the situation and when we help people to transform what we see that can improved. I can say that I have changed much more myself than others or things around me. And there is beauty when that happens. There is beauty in the new.
I opened my mind for the different and that made me feel really good.
Thus, before going to travel, before packing everything, remember to open your mind.