domingo, 30 de outubro de 2011

A Simplicidade


...
Da outra vez que estive aí, não reparei em você. No quão verdinha e serena você é.
Reparei sim na grandiosidade das águas e no passear ousado dos pássaros ao voar perto, bem perto de tão grande manifestação de poder.
As águas a cada passo me chamavam, naquela vez. Maravilhei-me ao ver as quedas e o contorno que elas adquiriam ao seguir seu curso para banhar e trazer vida em outros lugares.
Quando visitei essas águas que impressionam, não imaginava que poderia voltar e me encantar novamente com elas tão cedo. Tolo fui eu. É da natureza delas o encantar e nos deixar sem palavras. E foi assim, mais uma vez.
Mas o que não esperava mesmo era me deparar com tamanha singeleza. Uma singeleza oculta, que poucos, talvez, percebem e se deixam encantar.
Quando estamos perante de algo majestoso, é muito pouco provável que queiramos nos engrandecer, porque qualquer tentativa nesse sentido é frustrada imediatamente pela majestade ali presente.
No entanto, você, minha amiga, com sua simplicidade e humildade ao se deixar banhar. Com sua resignação ao crescer limitadamente sob a sombra das imensas cataratas, ensinou-me.
Mais do que me maravilhar ou me encantar, o ensinamento é algo que fica e me preenche muito mais.
Aprendi com você que, para sermos viçosos e bonitos, não precisamos ser grandes e poderosos.
Aprendi que força é muito mais do que demonstração de glória. Força é saber se posicionar e se colocar na posição que nos cabe com dignidade, ainda que essa posição seja temporária e não muito estimada pelos outros quanto gostaríamos que fosse.
Além disso, o que de maior valor você me ensinou foi que a simplicidade compõe a melodia da beleza de uma forma que faz a vida ser harmoniosa e vivida melhor. Você poderia querer ser grande a fim de encobrir as quedas, mas se limita, porque sabe que sua singeleza também é bela. Em consonância com as notas da natureza, sua simplicidade me surpreende tanto quanto as muitas águas.
Observar você, em sua pequenez, fez-me saber que nunca serei menos por optar pela simplicidade. Pelo contrário, a nobreza de ser assim é saber exatamente do que preciso e isso quer dizer ser muito mais.
É saber exatamente quem me criou, quem eu sou e o que estou destinado a ser. 

*Dedicado aos amigos que estiveram comigo nessa segunda vez na linda maravilha da natureza: As Cataratas do Iguaçu. Igualmente, a Izadora, por ele, o texto, ter nascido no dia de seu aniversário e ela ter muitas das características da plantinha.
Ronni Anderson G. da Silva (26/10/11)