domingo, 1 de maio de 2011

Cataratas

A natureza me envolve. Vejo-me rodeado de bichos nunca antes vistos tão de perto. Alguns ficam parados esperando a gente passar. A natureza nos recebe muito bem. Surpreende-nos.
Ouço um barulho intermitente de água. Muitas águas. As mais belas águas.
Caminho perto delas e me maravilho. Sigo em direção às suas quedas belas e hipnotizantes.
Estaco em meio a tanta beleza. Realizo o quanto não sou nada perante a sua grandeza.
Aproximo-me mais, mais maravilhado fico. Rendo-me.
Os céus proclamam...
A natureza fala...
Eu ouço sobre o Deus Todo Poderoso neles. Oro. Agradeço.
Ele é grande, tremendo. E eu não sou nada diante do Seu Poder.
Recordo-me de Seu sacrifício e me pergunto:
“Como, Mestre, se fez tão pequeno tendo tamanha força?”
Ele me responde com Sua Voz de muitas águas, responde-me com aquela bela e inexplicável visão.
“Tudo isso porque o amo. Sendo pequeno, mais uma vez, mostrei a você meu poder, morrendo e voltando a viver”.
Louvo ao Deus Criador, que se revela em sua criação e mesmo sendo tão grande me ama ao ponto de pensar em tanta beleza e se fazer tão pequeno.
Obrigado é o que repito por todo o resto do caminho. Cantando junto com as águas a grandeza de Deus.
Louvado seja! Louvado seja!
Quero com esse Deus caminhar e em Seu Poder sempre confiar!