sábado, 5 de março de 2011

Hoje Voltando

“O amor conforta, como o sol depois da chuva.” (William Shakespeare)
“Pois é, às vezes, o passado nos visita com uma coisa boa”. (Alguém)

Hoje, voltando, eu vi os campos bem lavados. Sabe, depois da chuva.
Estava tudo verdinho e bem regado pela claridade de um belo Sol pós-chuva.
Eu vi bois pastando, calmamente; gente boa me vendo passar pela janela; árvores de vários tipos...
Tinha alguns voltando, de bicicleta, de seus trabalhos, numa vida bem simples e boa de se viver. Lembrei que eu também estava retornando, à minha maneira, serenamente, para minha casa, pra minha vida boa de viver.
As cidades por onde passei, hoje voltando, me receberam cada uma com seu ritmo. Não mudaram ao me ver passar, mas mesmo assim me senti acolhido. Quando você é de casa, não precisa de cerimônias, como diria um amigo meu.
A conversa na sacada. O menino correndo. O pai com a criança no colo. Expressões do cotidiano que muito me agradaram.
Perguntei-me se mais alguém estaria reparando. Espero que sim. Foi lindo voltar e perceber que a vida continua e me abraça sempre que me vê e não apenas eu a vejo.
Sinto-me amado e acolhido, onde estou e para aonde vou. Voltar sempre me leva ao passado, mas sei que estou avançando para o futuro. Confuso, eu sei, mas basta que eu saiba o que essas palavras significam. Cada retorno e ida sempre são muito pessoais, mas gosto de relatar meu caminho.
Estou sempre disposto a embarcar.
Bem-vindo ao trem da vida.



3 comentários:

Rodolfo disse...

Sempre marcante!

Paula disse...

Com certeza nesse trem vale a pena embarcar! Mais uma poesia em forma de texto!

Parabéns!

Bjos!

Sabrina Messiah disse...

Cidadezinha qualquer

Casas entre bananeiras
mulheres entre laranjeiras
pomar amor cantar.

Um homem vai devagar.
Um cachorro vai devagar.
Um burro vai devagar.
Devagar... as janelas olham.

Eta vida besta, meu Deus.

Carlos Drummond de Andrade
De Alguma poesia (1930)