sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Tirei o Relógio

Sabe, tirei o relógio.
Pra mim o tempo tem que passar normal.
Assim. Sem pressa. Na sua própria marcação.
O relógio me prende, me espreme.
Em algum momento terei de colocá-lo de novo, mas aí muitos tempos já terão passado.
Minha teoria, e agora você entenderá a afirmação acima, é de que há infinitos dentro de infinitos. O tempo se encaixa nesse conceito.
Tirar meu marcador pessoal de infinito do pulso é me jogar sem amarras nesse imenso mar de desobrigações e simplicidade.
Resolvi apenas ver a vida passar, dessa vez.
Sou levado por ela, eu sei.
Ela e o tempo são amigos de longa data.
Infinito atrai infinito e, por isso, igualmente, também sou atraído por eles.
Vida e Tempo entrelaçados. Sou parte vida, parte tempo. Não há como não ser por eles carregado.
Tirei o relógio, porque quero vê-los, vida e tempo, naturais, como devem ser.
Vida e Tempo amigos. E, também, meus amigos.
Levem-me com vocês, porque, como devem ser, eu os aceitei.




.Durante minhas férias, no dia 24/12/2010.
.Carpe diem

4 comentários:

paulinha disse...

Resolvi: Vamos todos tirar os relógios... rsrsrsr!!!!
Amei o texto Ronni... você me surpreende com seu jogo de palavras... Grande bjo!

Dayse Molina disse...

Mto bom!

Bárbara Pinheiro disse...

Arranque os calendários também,
a maior crueldade que já se fez com o tempo foi passar a medi-lo.

Gostei bastante do seu blog. Parabéns!

Ronni disse...

Obrigado, Bárbara!
Volte sempre!