sexta-feira, 30 de abril de 2010

Curtos

Socorro
O socorro vem.
Antes do que esperávamos.
Ou em um momento que não esperávamos!
Há esperança!
Há socorro!
Aguente mais um pouco, porque o socorro vem!
O livramento sempre vem.
Nada é por acaso. Esteja disposto a aprender e a crescer.
Ronni
29/04/2010
20:20h

Infeccioso

A dor dos rejeitados quem a pode mensurar?
Já foi excluído antes?
Que dor! Quanta dor! E quando choro!

Querer ficar perto...
E as pessoas não o querem por perto.
Querer um abraço...
E não recebê-lo.
Coração em frangalhos.

Ninguém querer saber de você.
Ninguém se importar com o que está sentindo.
Olhares de desprezo...
Olhares de pena... (poucos e sem ação!)

Caminhar sozinho dói.
Dói andar sozinho.

A Esperança e o Alento está no olhar compassivo e ativo d'Aquele que sofreu e que, igualmente, foi rejeitado.
NEle não havia beleza alguma que nos agradasse.
Ele foi humilhado.
Ele foi rejeitado.
Não reclamou, mas a outros abraçou.

Abraçou os doentes.
Abraçou os feridos de coração.
Abraçou aqueles que ninguém mais acolhia.

Deixo-me ser abraçado por Ele.
E vejo minha dor e solidão irem embora.
Deixo-me ser salvo e resgatado por Jesus.
Por Aquele que me amou primeiro.
E passo também a abraçar outros...
Passo a levar outros, melhor!, ao Maior abraço de acolhimento, que nem se quisesse poderia dar, porque é insubstituível de tanto amor, consolo, cura e acolhimento.

Maranata!
Hosana!
Ronni Anderson G. da Silva
29/04/2010
20:10h


Curtos

Lágrimas
Molho a folha de papel pela saudade existente.
Choro pelos que me são ausentes.
O abraço apertado quando chorei,
O olhar compreensivo quando precisei. E, hoje, não encontrei.
Chorar lava a alma.
Mostra que sou humano.
20/03/2010, às 21:52h

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Série- "Curtos"

Os Dias
Tem dias que demoram a nascer
Tem dias que esquecem de morrer
Queremos enterrar alguns
Ou mesmo não querer saber de nenhum

Vem e vai...
Os dias se vão.
Vão e não voltam mais.
O importante é vivê-los independente do que o tempo nos faz.

Ronni - 16/04/2010 ...durante uma aula de bioenergética, quando o dia estava nublado e frio; mas que, mais tarde, de repente, resolveu se abrir num sorriso de luz e calor!